Mostrar registro simples

dc.creatorDelevati, Ananda da Silva
dc.date.accessioned2013-07-12
dc.date.available2013-07-12
dc.date.issued2012-11-17
dc.identifier.citationDELEVATI, Ananda da Silva. RISK COMMUNICATION AND COVERING DISASTERS: THE JOURNALISTIC FIELD AND SPECIALIZED SOURCES. 2012. 139 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2012.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufsm.br/handle/1/6330
dc.description.abstractBased on Risk Communication assumptions, this paper investigates the relationship between sources and journalists in covering disasters, to evaluate what is the role of the journalist and point out some elements that might contribute to a quality coverage. Methodologically, this paper is based on literature review and individual and semi-open interviews. From the analysis of six months of Zero Hora editions, we mapped and interviewed the expert sources used by the newspaper in articles related to disasters involving climate. We also interviewed the journalists authors of disaster related articles, to know how they deal with the challenge of covering climate and how they relate to the experts. Through interviews, this paper presents the capabilities and antagonisms present in the relationship between journalistic and expert sources fields. This dissertation is divided into three chapters. The first chapter, Society and Risk Communication , addresses the concepts of Risk Society and Risk Communication. The second chapter, entitled social fields and journalistic sources in news coverage of disasters , discusses the concept of field, the specifics and relations between fields, and also the concept of source. The last chapter, The vision of experts on the news coverage of disasters , analyzes interviews with the expert sources and journalists and proposes some actions to guide the journalistic work. The analysis of the interviews is divided into two parts. The first concerns the logic and operation of the journalistic field and covers: news values, determination and relationship between sources and experts. The second part seeks to establish elements for a protocol of action and is divided into three parts: Before: the necessity of prevention , Moment of crisis: precautions and limits to journalists in a disaster and After the disaster: the journalistic oversight . The paper concludes that, like other fields, journalism needs protocols for dealing with risk situations. Moreover, there is still much to advance in the dialog between journalistic field and expert sources, a relationship that has incompabilities, especially considering that the two fields follow a different logic. We understand that the journalist can not be just a witness of facts, but must have an intellectual work to analyze it and understand its role within the network of disasters, in view of the social role of journalism. This dissertation is part of the Media and Identity line of research, because it comprises journalism within the sociocentric paradigm and takes into account the actions of society along with journalism, highlighting the active paper of journalists in the production of information.eng
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Santa Mariapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectComunicação de riscopor
dc.subjectCobertura de desastres naturaispor
dc.subjectRelação entre fontes e jornalistaspor
dc.subjectFontes expertspor
dc.subjectRisk communicationeng
dc.subjectCoverage of natural disasterseng
dc.subjectThe relationship between sources and journalistseng
dc.subjectSources expertseng
dc.titleCOMUNICAÇÃO DE RISCO E COBERTURA DE DESASTRES: O CAMPO JORNALÍSTICO E AS FONTES ESPECIALIZADASpor
dc.title.alternativeRISK COMMUNICATION AND COVERING DISASTERS: THE JOURNALISTIC FIELD AND SPECIALIZED SOURCESeng
dc.typeDissertaçãopor
dc.description.resumoA partir dos pressupostos da Comunicação de risco, o trabalho investiga as relações entre fontes e jornalistas na cobertura de desastres, para avaliar o papel do jornalista e apontar alguns elementos que possam contribuir com uma cobertura de qualidade. Metodologicamente, o trabalho baseia-se em revisão bibliográfica e em entrevistas individuais e semiabertas. A partir da análise de seis meses de edições Zero Hora, mapeamos e entrevistamos as fontes especializadas utilizadas pelo jornal nas matérias relativas a desastres que envolvem o clima. Também entrevistamos os jornalistas autores de matérias sobre desastres, para saber como eles lidam com o desafio de cobrir o tema e como se relacionam com os especialistas. Por meio das entrevistas, o trabalho apresenta as compatibilidades e os antagonismos presentes na relação entre o campo jornalístico e os campos das fontes especializadas. A dissertação divide-se em três capítulos. No primeiro capítulo, A sociedade e a comunicação no contexto dos riscos , aborda-se o conceito de Sociedade de risco e de Comunicação de risco. O segundo capítulo, intitulado Campos sociais e fontes jornalísticas na cobertura de desastres , discute o conceito de campo, as especificidades e as relações entre os campos, além do conceito de fonte. Já o último capítulo, A visão dos especialistas sobre a cobertura jornalística de desastres , analisa as entrevistas com as fontes especialistas e com os jornalistas e propõe algumas ações para nortear o trabalho jornalístico. A análise das entrevistas está dividida em duas partes. A primeira diz respeito à lógica e ao funcionamento do campo jornalístico e abrange valores-notícias, apuração e relação entre fontes e especialistas. A segunda parte busca estabelecer elementos para um protocolo de ação e está divida em três partes: Antes do desastre: a necessidade da prevenção , Momento de crise: os cuidados e limites para os jornalistas em um desastre e Após o desastre: a fiscalização jornalística . Com o trabalho conclui que, assim como outros campos, o jornalismo precisa de protocolos para lidar com situações de riscos. Além disso, ainda há muito para se avançar no diálogo entre o campo jornalístico e as fontes especializadas, uma relação que apresenta incompatibilidades, principalmente tendo em vista que os campos seguem lógicas diferentes. Entendemos que o jornalista não pode ser apenas um testemunho dos fatos, mas tem que realizar um trabalho intelectual para analisá-lo e compreender a sua função e seu papel dentro da rede de desastres, tendo em vista o papel social do jornalismo. A dissertação insere-se na linha de pesquisa Mídia e identidade porque compreende o jornalismo no interior do paradigma sociocêntrico e leva em consideração as ações da sociedade junto ao jornalismo, destacando o papel ativo dos jornalistas na produção da informação.por
dc.contributor.advisor1Amaral, Márcia Franz
dc.contributor.advisor1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4784907U6por
dc.contributor.referee1Rublescki, Anelise Silveira
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3656236229143943por
dc.contributor.referee2Pozobon, Rejane de Oliveira
dc.contributor.referee2Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4773760U4por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/2779086423762722por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.departmentComunicaçãopor
dc.publisher.initialsUFSMpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Comunicaçãopor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAOpor


Arquivos deste item

Thumbnail

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples