Show simple item record

dc.creatorCerezer, Cristina
dc.date.accessioned2018-05-29T16:08:34Z
dc.date.available2018-05-29T16:08:34Z
dc.date.issued2017-03-24
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufsm.br/handle/1/13269
dc.description.abstractThe pollution from anthropic activities has produced a pronounced alteration in both terrestrial and aquatic ecosystems. However, because of the position that they occupy in the landscape, limnic environments are susceptible to receive large amounts of pollutants, such as pesticides. This factors combined with the low capability of dilution enhance the harmful effects of toxic substances to the organisms within this habitat. Moreover, the increasing temperature, consequence of global climatic changes, also has a direct and indirect influence on ecological studies, once it affects especially ectothermic organisms which live within continental water bodies. The decrease of water’s oxygen, generally associated with a higher temperature, for example, is responsible for the lower quality of some aquatics habitats, threatening more sensitive organisms. The pollution and variations of temperature have restricted the habitat of many species of crustaceans of the genus Aegla to water springs since they prefer clean and well-oxygenated waters. These variables have influenced the metabolism and behavior of Aegla and might modify its oxidative state and consequently the survival of this species in case of environment alteration. In this way, the aim of this study was to assess the effects of temperature variation, water quality and the oxygen concentration under behavioral and oxidative stress parameters (using biomarkers) on gills, hepatopancreas and muscles of Aegla longirostri. Thus, animals were exposed to 18ºC, 21°C, 24°C and 26ºC for 48 hours under laboratory conditions; analysis of behavior’s feedback, lethality and antioxidant defense system were made. Beyond, we verified the alterations in the antioxidant system induced by moderated (2.5 ppm OD) and severe (1.5 ppm OD) hypoxia and different qualities of water (Anthropized and natural) and also the behavioral responses and lethality. The increase of temperature has affected significantly not just the behavioral response, but also the levels of almost all the antioxidants tested in different tissues. We have demonstrated that the variation of temperature, even in a short-term experiment, can induce an alteration of behavior both on activity and reaction’s time of the crustaceans. The antioxidant activity in animals exposed to moderate and severe hypoxia have increased in relation to those who had constant oxygenation. These results demonstrate that the animals need well-oxygenated waters to survive, and a lower oxygenation affected their antioxidant system and consequently the survival, which could have an impact on populations of A. longirostri. Worst quality waters have the potential of changing the behavior, by decreasing activity at night, which could compromise foraging behavior, for example. It is evident, by the increase in activity and level of most biomarkers evaluated, that these animals are sensitive to the presence of pesticides even in very small quantities.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPESpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Santa Mariapor
dc.rightsAttribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/*
dc.subjectHipóxiapor
dc.subjectAntioxidantespor
dc.subjectAquecimento globalpor
dc.subjectComportamentopor
dc.subjectCrustáceospor
dc.subjectAntioxidantseng
dc.subjectGlobal warmingeng
dc.subjectBehavioreng
dc.subjectCrustaceanseng
dc.titleEstresse oxidativo em aegla longirostri (decapoda, anomura): efeito da temperatura e qualidade da águapor
dc.title.alternativeOxidative stress on aegla longirostri (decapoda, anomura): effects of temperature and water’s qualityeng
dc.typeDissertaçãopor
dc.description.resumoA poluição consequente de atividades antrópicas tem causado alteração dos ecossistemas terrestres e aquáticos. Porém, devido a posição que ocupam na paisagem, ambientes límnicos estão propensos a receber grandes cargas de poluentes, como por exemplo pesticidas. Isto, aliado a menor capacidade de diluição, potencializa os efeitos nocivos de substâncias tóxicas aos organismos que ali habitam. Além disso, a temperatura em ascendência, reflexo da alteração climática global, também exerce influência direta e indireta em estudos ecológicos, uma vez que afeta especialmente organismos ectotérmicos que vivem em corpos d’água continentais. A diminuição de oxigênio na água, geralmente associada à temperatura mais alta, por exemplo, é responsável pela baixa qualidade de alguns habitats aquáticos, ameaçando organismos mais sensíveis. A poluição e variações na temperatura têm restringido o hábitat de muitas espécies de crustáceos do gênero Aegla às nascentes, visto que possuem preferência por água límpida e bem oxigenada. Estas variáveis influenciam o metabolismo e o comportamento de Aegla, podendo alterar o estado oxidativo e consequentemente a sobrevivência desta espécie caso seu ambiente seja alterado. Desta forma, avaliaram-se os efeitos da variação de temperatura, da qualidade da água e da concentração de oxigênio sob parâmetros comportamentais e de estresse oxidativo (através de biomarcadores) em brânquias, hepatopâncreas e músculo de Aegla longirostri. Os animais foram expostos, em condições laboratoriais, a temperaturas de 18ºC, 21°C, 24°C e 26ºC durante 48 horas; foram analisadas as respostas comportamentais, letalidade e o sistema de defesa antioxidante no crustáceo de água doce A. longirostri. Além disso, verificamos as alterações no sistema antioxidante induzidas por hipóxia moderada (2,5 ppm OD) e grave (1,5 ppm OD) e em águas de diferentes qualidades (antropizadas e naturais) e também as respostas comportamentais e a letalidade. O aumento da temperatura afetou significativamente não só a resposta comportamental, mas também os níveis de quase todos os antioxidantes testados em A. longirostri em diferentes tecidos. Nós demonstramos que a variação na temperatura, mesmo em um experimento a curto prazo, é capaz de induzir uma alteração no comportamento de atividade e no tempo de reação dos crustáceos. A atividade antioxidante em animais expostos à hipóxia moderada e grave aumentou em relação àqueles com oxigenação constante. Esses resultados demonstram que esses animais realmente exigem águas bem oxigenadas para sobreviver e que uma menor oxigenação afetaria o seu sistema antioxidante e consequentemente a sua sobrevivência, podendo assim impactar as populações de A. longirostri. Águas antropizadas têm o potencial de alterar o comportamento desses eglídeos, diminuindo sua atividade durante à noite, podendo comprometer o seu comportamento de forrageio, por exemplo. Além disso, fica evidente, através do aumento da atividade e do nível da maioria dos biomarcadores avaliados, que esses animais são sensíveis à presença de pesticidas mesmo que estes estejam presentes em quantidades muito pequenas.por
dc.contributor.advisor1Santos, Sandro
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2397252405405950por
dc.contributor.referee1Lanés, Luis Esteban Krause
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4969483972915961por
dc.contributor.referee2Menezes, Charlene cavalheiro de
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/5797939364548726por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/0314566374767104por
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.departmentCiências Biológicaspor
dc.publisher.initialsUFSMpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Biodiversidade Animalpor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS BIOLOGICASpor
dc.publisher.unidadeCentro de Ciências Naturais e Exataspor


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International
Except where otherwise noted, this item's license is described as Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International

O Manancial - Repositório Digital da UFSM utiliza a versão 4.1 do software DSpace.
Av. Roraima, 1000. Cidade Universitária "Prof. José Mariano da Rocha Filho".
Bairro Camobi. CEP: 97.105-900. Santa Maria, RS, Brasil.