Show simple item record

dc.creatorTartaglia, Francilene de Lima
dc.date.accessioned2017-05-04
dc.date.available2017-05-04
dc.date.issued2016-02-19
dc.identifier.citationTARTAGLIA, Francilene de Lima. Agronomic and ecophysiological responses of the canola crop to water excess. 2016. 97 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2016.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufsm.br/handle/1/5158
dc.description.abstractThe objective of this study was to evaluate the agronomic and ecophysiological responses of canola cultivars grown under water excess in the soil, determining which crop stages are more sensitive, the length time of water excess tolerated and the tolerant cultivars. Four experiments were installed, two field and two in the greenhouse. Field experiments were conducted in two crop years (2014 and 2015), in Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, in a randomized block design, with split plot design, in a factorial 2 x 3, with factors drainage (with drain and no drain) and canola cultivars (Hyola 433, Hyola 411 and Hyola 61), with four replications. Were quantified plant height, number of leaves, leaf area, thermal time length of the development subperiods, leaf conductance, photosynthetic ratio and grain yield components. The experiments in greenhouse were conducted in Santa Maria and São Vicente do Sul, in 2015, in a factorial completely randomized design 4 x 5 in Santa Maria and with an additional treatment 5 x 4 + 1 in São Vicente do Sul, whose factors were phenological stages and time length with soil water excess (0, 24, 48, 96 and 192 h), with 3 replications. Were quantified the index of emergency velocity, emergency rate and yield components. The water excess in the soil causes morphological, phenological, physiological and productive changes in the canola crop. In the sowing-emergence subperiod, the soil water excess for a long time reduces the plant population. After the crop emergence, the rosette formation and onset of anthesis are the most critical stages to the canola crop. The plant population and the number of siliques per plant are the variables that most influence the productivity of canola grain in areas with water surplus. The use of drains is effective for the establishment and development of the canola in areas or periods with water excess. The length time that the canola crop supports water excess without reducing grain yield depends on the phenological stage, however, 24 h of water excess can reduce emergency velocity index, number of siliquas per plant, dry mass of shoots and grain yield. Productivity is most affected when the water excess occurs in the rosette formation and in onset of anthesis. There is a decreasing relationship between the increase in water surplus period and grain yield of the canola crop. The Hyola 411 and Hyola 433 cultivars may be promising for cultivation in areas with water excess. The Hyola 61 cultivar has productive potential, however, seems to be more sensitive to water excess in the soil.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Santa Mariapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectBrassica napuspor
dc.subjectDrenagempor
dc.subjectProdutividadepor
dc.subjectMorfologiapor
dc.subjectFenologiapor
dc.subjectBrassica napuseng
dc.subjectDrainageeng
dc.subjectProductivityeng
dc.subjectMorphologyeng
dc.subjectPhenologyeng
dc.titleRespostas agronômicas e ecofisiológicas da cultura da canola ao excesso hídricopor
dc.title.alternativeAgronomic and ecophysiological responses of the canola crop to water excesseng
dc.typeDissertaçãopor
dc.description.resumoObjetivou-se com esse trabalho avaliar as respostas agronômicas e ecofisiológicas de cultivares de canola submetidas ao excesso hídrico no solo, determinando-se quais os estádios de maior sensibilidade da cultura, o período de tempo com excesso hídrico tolerado e cultivares mais tolerantes. Quatro experimentos foram instalados, dois a campo e dois em casa de vegetação. Os experimentos de campo foram realizados em dois anos agrícolas, 2014 e 2015, na Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, em delineamento em blocos casualizados, com parcelas subdivididas, em esquema fatorial 2 x 3, sendo os fatores, dreno (com dreno e sem dreno) e cultivares de canola (Hyola 433, Hyola 411 e Hyola 61), com quatro repetições. Determinou-se altura de plantas, número de folhas, área foliar, duração dos subperíodos de desenvolvimento, condutância foliar, taxa fotossintética e componentes de rendimento de grãos. O experimento de casa de vegetação foi conduzido no ano de 2015, em delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 4 x 5 em Santa Maria, RS, e fatorial com tratamento adicional 5 x 4 + 1 em São Vicente do Sul, RS, sendo os fatores estádios fenológicos e 0, 24, 48, 96 e 192 h de excesso hídrico contínuo, com 3 repetições. Determinou-se o índice de velocidade de emergência, porcentagem de emergência e componentes de rendimento. O excesso hídrico no solo causa alterações morfológicas, fenológicas, ecofisiológicas e produtivas na cultura da canola. No subperíodo semeadura-emergência, o excesso hídrico no solo por períodos prolongados resulta na redução da população de plantas. Após a emergência das plantas, os estádios de formação de roseta e início da antese são os mais críticos para a cultura da canola. A população de plantas e o número de síliquas por planta são as variáveis que mais influenciam a produtividade de grãos da canola em locais com excesso hídrico. O uso de drenos é eficiente para permitir o estabelecimento e desenvolvimento da canola em condições de excesso hídrico. O tempo em que a canola suporta o excesso hídrico sem comprometer a produtividade de grãos depende do estádio fenológico, porém, 24 h de excesso hídrico são capazes de reduzir a velocidade de emergência, o número de síliquas por planta, a massa seca da parte aérea e a produtividade de grãos. A produtividade de grãos é mais prejudicada quando o excesso hídrico ocorre na formação de roseta e no início da antese. Existe uma relação decrescente entre o aumento no período de excesso hídrico e a produtividade de grãos na cultura da canola. As cultivares Hyola 411 e Hyola 433 podem ser promissoras para cultivo em locais com excesso hídrico. A cultivar Hyola 61 tem potencial produtivo, porém, parece ser mais sensível ao excesso hídrico no solo.por
dc.contributor.advisor1Righi, Evandro Zanini
dc.contributor.advisor1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4761177E5por
dc.contributor.advisor-co1Heldwein, Arno Bernardo
dc.contributor.advisor-co1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4788078U3por
dc.contributor.referee1Dalmago, Genei Antonio
dc.contributor.referee1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4795371Y6por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/1746246994656430por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.departmentAgronomiapor
dc.publisher.initialsUFSMpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Agronomiapor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIApor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


O Manancial - Repositório Digital da UFSM utiliza a versão 4.1 do software DSpace.
Av. Roraima, 1000. Cidade Universitária "Prof. José Mariano da Rocha Filho".
Bairro Camobi. CEP: 97.105-900. Santa Maria, RS, Brasil.