Show simple item record

dc.creatorGomes, Jeane de Lima Costa
dc.date.accessioned2017-01-13
dc.date.available2017-01-13
dc.date.issued2016-08-30
dc.identifier.citationGOMES, Jeane de Lima Costa. BIOCHEMICAL AND HEMATOLOGICAL RESPONSES ON JUNDIA (Rhamdia quelen) PRE-FED WITH VITAMIN C AND EXPOSED TO ATRAZINE. 2016. 51 f. Dissertação (Mestrado em Ciencias Biológicas) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2016.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufsm.br/handle/1/5344
dc.description.abstractThis study was conducted at the laboratory of Biology and Adaptive Aquatic Toxicology, as well as at the Pisciculture Laboratory, both from the Federal University of Santa Maria (UFSM). The overall objective was to evaluate the antioxidant effects of vitamin C on biochemical and hematological parameters of jundiá Rhamdia quelen. The study was divided in two experiments (phase), and the results of the first experiment served as the basis for the second period. The first step consisted in preparing food supplemented with vitamin C in 3 different concentrations: (1) 0 (2) and 500 (3) 1000 mg / kg. During supplementation were collected 10 fish per diet on days 0, 7, 14, 21 and 28, for the purpose of performing a concentration curve to ascertain the minimum amount of supplementation it to obtain the protective effect of vitamin C. In each collection, blood, liver and gill samples were collected for subsequent biochemical and hematological analysis. Our results showed that the activity of catalase (CAT) in the liver, increased, only in group 1, with no significant changes in the other groups. The levels of lipid peroxidation in liver and gills were reduced in groups 2 and 3 compared to group 1. The activity of glutathione peroxidase (GPx) in liver increased both in group 2 and in group 3 compared to group 1. The protein carbonyl content in gills was higher in group 1 when compared to others groups. Regarding the activity of glutathione Stransferase enzymes (GST) and superoxide dismutase (SOD) and the level of non-protein thiols (NPSH), there was no significant difference between groups. The total erythrocyte count (RBC), hemoglobin (Hb) and hematocrit (HCT) increased in all groups. There were no significant differences in relation to the mean cell volume (MCV) and mean cell hemoglobin (MCH) values. From the results obtained it was observed that the amount of 500 or 1000 mg/kg vitamin C were sufficient to improve the antioxidant ability to Rhamdia quelen and it was established that 28 days of feeding would be a minimum to obtain desired results. Through these assumptions began the second phase of the study, where animals were fed for 30 days with feed containing 1000 mg/kg of vitamin C. The animals were divided into the following groups: (1) control Vitamin C 0 mg/kg (2) control vitamin C 1000 mg/kg, (3) exposure to atrazine vitamin C 0 mg/kg, (4) exposure to atrazine vitamin C 1000 mg/kg. After the feeding period the animals were subjected to exposure atrazine at a concentration of 10μg/L, for a period of 96 hours. The purpose of this step was to determine whether this amount of vitamin C would be sufficient for fish protection against stress caused by exposure to the herbicide. At this stage we choose to perform analysis only in the liver, since the gill showed few significant changes in the first phase of the experiment. The results of this phase showed that in all groups there was no significant difference in lipid peroxidation. However, there was a decrease in protein carbonyl content in group 4 when compared to the other groups. NPSH levels increased only in the groups supplemented with 1000 mg/kg vitamin C (groups 2 and 4). There was no significant difference in the GST activity among the groups. The GPx activity increased significantly in group 4 as compared to the other groups. The CAT activity decreased both in groups 3 and 4. Thus, we conclude that vitamin C improved liver protection when the animals were exposed to atrazine. Therefore, a diet supplemented with adequate amounts of vitamin C, can provide both good nutrition for the fish as well as a protection against stress factors.eng
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Santa Mariapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectÁcido ascórbicopor
dc.subjectEstresse oxidativopor
dc.subjectParâmetros hematológicos, peixepor
dc.subjectAscorbic acideng
dc.subjectOxidative stresseng
dc.subjectHematological parameterseng
dc.subjectFisheng
dc.titleRESPOSTAS BIOQUÍMICAS E HEMATOLÓGICAS DE JUNDIÁS (Rhamdia quelen) PRÉ-ALIMENTADOS COM VITAMINA C E EXPOSTOS A ATRAZINApor
dc.title.alternativeBIOCHEMICAL AND HEMATOLOGICAL RESPONSES ON JUNDIA (Rhamdia quelen) PRE-FED WITH VITAMIN C AND EXPOSED TO ATRAZINEeng
dc.typeDissertaçãopor
dc.description.resumoO presente estudo foi realizado no laboratório de Biologia Adaptativa e Toxicologia Aquática, bem como no laboratório de Piscicultura, ambos pertencentes à Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). O objetivo geral foi avaliar os efeitos antioxidantes da vitamina C sobre parâmetros bioquímicos e hematológicos de jundiás (Rhamdia quelen). O estudo foi dividido em dois experimentos (fases), sendo os resultados do primeiro experimento base para o segundo período experimental. A primeira fase constituiu-se na preparação da ração suplementada com vitamina C, em 3 diferentes concentrações: (1) 0, (2) 500 e (3) 1000 mg/kg. Durante a suplementação foram coletados 10 peixes por dieta, nos dias 0, 7, 14, 21 e 28, com o intuito de realizar uma curva de concentração a fim de conhecer a quantidade mínima de suplementação para que se obtenha os efeitos protetores da vitamina C. Em cada coleta foram amostrados: sangue, fígado e brânquias, para posteriores análises bioquímicas e hematológicas. Nossos resultados mostraram que a atividade da catalase (CAT), em fígado, aumentou apenas no grupo 1, não havendo alterações significativas nos outros grupos. Os níveis de peroxidação lipídica em fígado e brânquias foram reduzidos nos grupos 2 e 3, quando comparado ao grupo 1. A atividade da glutationa-peroxidase (GPx) no fígado aumentou tanto no grupo 2 quanto no grupo 3, quando comparado ao grupo 1. O nível de proteína carbonil, em brânquias, foi elevado apenas no grupo 1, quando comparado com os outros grupos. Em relação as atividade das enzimas glutationa-S-transferase (GST) e superóxido dismutase (SOD), bem como ao nível dos tióis- não proteicos (NPSH), não houve diferença significativa entre os grupos. A contagem total de eritrócitos (RBC), hemoglobina (Hb) e hematócrito (HCT) aumentou em todos os grupos. Não houve diferenças significativas em relação aos valores do volume celular médio (MCV) e da hemoglobina celular média (MCH). A partir dos resultados obtidos observou-se que as quantidades de 500 ou 1000 mg/kg de vitamina C foram suficientes para a melhoria da capacidade antioxidante de Rhamdia quelen, bem como foi estabelecido que 28 dias de alimentação seria um período mínimo para se obter os resultados desejados. Por meio destes pressupostos iniciamos a segunda fase do estudo, onde os animais foram alimentados por 30 dias com ração contendo 1000 mg/kg de vitamina C. Os animais foram divididos nos seguintes grupos: (1) controle - vitamina C 0 mg/kg, (2) controle - vitamina C 1000 mg/kg, (3) exposição à atrazina - vitamina C 0 mg/kg e (4) exposição à atrazina - vitamina C 1000 mg/kg. Após o período de alimentação estes animais foram submetidos à exposição de Atrazina, na concentração de 10μg/L, por um período de 96 horas. O objetivo desta etapa foi verificar se essa quantidade de vitamina C seria suficiente para a proteção dos peixes contra o estresse causado pela exposição ao herbicida. Nesta etapa escolhemos realizar as análises apenas em fígado, uma vez que a brânquia mostrou poucas alterações significativas na primeira fase do experimento. Os resultados desta fase mostraram que em todos os grupos não houve diferenças significativas na peroxidação lipídica. Entretanto, houve uma diminuição do conteúdo da proteína carbonil no grupo 4, quando comparado com os outros grupos. Os níveis de NPSH aumentou apenas nos grupos suplementados com 1000 mg/kg de vitamina C (grupos 2 e 4). Não houve diferença significativa da atividade da enzima GST, em nenhum grupo. A atividade da GPx aumentou significativamente no grupo 4 em comparação com os outros grupos. A atividade da CAT diminuiu, tanto no grupo 3 quanto no grupo 4. Sendo assim, concluímos que a vitamina C mostrou ser capaz de melhorar a proteção do fígado quando os animais foram expostos a Atrazina. Logo, uma dieta suplementada com quantidades adequadas de vitamina C, pode proporcionar tanto uma boa nutrição para os peixes, bem como uma proteção contra fatores de estresse.por
dc.contributor.advisor1Loro, Vania Lucia
dc.contributor.advisor1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4796333D7por
dc.contributor.advisor-co1Silva, Leila Picolli da
dc.contributor.advisor-co1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4798001T6por
dc.contributor.referee1Schuch, André Passaglia
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4932611269622766por
dc.contributor.referee2Oliveira, Guendalina Turcato
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/1189036200852586por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/2807054050090718por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.departmentCiências Biológicaspor
dc.publisher.initialsUFSMpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Biodiversidade Animalpor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS BIOLOGICASpor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


O Manancial - Repositório Digital da UFSM utiliza a versão 4.1 do software DSpace.
Av. Roraima, 1000. Cidade Universitária "Prof. José Mariano da Rocha Filho".
Bairro Camobi. CEP: 97.105-900. Santa Maria, RS, Brasil.