Show simple item record

dc.creatorFrancisco, Chimica
dc.date.accessioned2017-11-22T13:08:21Z
dc.date.available2017-11-22T13:08:21Z
dc.date.issued2016-11-12
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufsm.br/handle/1/12065
dc.description.abstractThis work intends to study Mozambique and Angola‘s postcolonial authoritarianism and violence during the Portuguese colonial domination and the independence of these countries afterwards, trying to identify and explain its manifestations. Therefore, as corpus to this comparative study, we took Juvenal Bucuane‘s Xefina (1989), in Mozambique‘s case; and in Angola‘s case we took Manuel Rui‘s Quem me dera ser onda (1982, 1. ed.). The first one shows the circumstances where white men (representative of Portuguese colonial power) subjugates black man, through forced and inhuman works‘ imposition, of physical and psychological violence, freedom privation, the impossibility to access education and culture tools, beyond another evils. In Quem me dera ser onda, with Angola‘s independence, we verify the rise of a petit bourgeois‘ power that did nothing unless to replace the Portuguese colonizer by a new black ―colonizer‖. Manuel Rui‘s romance keeps both authoritarianism and violence, from what also comes the problem of patriarchy that configures another way of domination in this work, because there are men‘s supremacy and women‘s exploration, which are nonetheless another way of colonization. In order to proceed with this work we brought many theories, mostly about postcolonial literature, authoritarianism and violence, as well as the use of an analytical-descriptive methodology about those evils‘ manifestations in the selected corpus. It was also interesting to notice in the texts teaching and school‘s ideological role in postcolonial State which influenced a lot in social hierarchizing. Thus, we could verify authoritarianism and violence issues not only in the period of colonial domination, as carried on the post-independence period especially in Mozambique and Angola, in 1975. And its effects still go on and need to be studied until now.eng
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Santa Mariapor
dc.rightsAttribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/*
dc.subjectPós-colonialpor
dc.subjectAutoritarismopor
dc.subjectViolênciapor
dc.subjectJuvenal Bucuanepor
dc.subjectManuel Ruipor
dc.subjectPostcolonialeng
dc.subjectAuthoritarianismeng
dc.subjectViolenceeng
dc.subjectJuvenal Bucuaneeng
dc.subjectManuel Ruieng
dc.titleAutoritarismo e violência pós-coloniais em Xefina e Quem me dera ser ondapor
dc.title.alternativeAuthoritarianism and violence postcolonial in Xefina and Quem me dera ser ondaeng
dc.typeTesepor
dc.description.resumoO presente trabalho pretende fazer um estudo sobre o autoritarismo e a violência pós-coloniais que se verificaram em Moçambique e em Angola durante o período da dominação colonial portuguesa e logo a seguir a independência desses países, procurando identificar e explicar as suas manifestações. Para o efeito, tomou-se como corpus desse estudo comparativo, para o caso de Moçambique, a obra Xefina (1989), de Juvenal Bucuane, e para Angola a obra Quem me dera ser onda (1982, 1. ed.), de Manuel Rui, que retratam, para o caso de Xefina, as circunstâncias nas quais o homem branco, representante do poderio colonial português, subjugava o homem negro, através da imposição de trabalhos forçados e desumanos, da violência física e psicológica, da privação de liberdade, da impossibilidade de acessar os equipamentos de educação e cultura, entre outros males. Em Quem me dera ser onda, com a independência de Angola, verifica-se a ascensão ao poder de uma elite pequeno-burguês que nada fez senão a substituição do colonizador português branco por um novo ―colonizador‖ negro. O autoritarismo e a violência são igualmente mantidos de que se associa também a problemática do patriarcado que configura outra forma de dominação presente nesta novela de Manuel Rui, pois há a supremacia e a exploração da mulher pelo homem o que não deixa de ser outra forma de colonização. Para a prossecução deste trabalho, foram trazidas várias teorias, sobretudo, as referentes à matéria sobre a literatura pós-colonial, autoritarismo e violência, como também a utilização de uma metodologia analítico-descritiva a respeito das manifestações desses males no corpus selecionado. Foi igualmente interessante perceber, a partir das obras, o papel ideológico do ensino e da escola no Estado pós-colonial, que muito contribuiu para a hierarquização social. Portanto, as questões de autoritarismo e de violência não só se verificaram no período de dominação colonial, como continuaram no pósindependência, em particular em Moçambique e em Angola, verificada em 1975, e que seus efeitos continuam e merecem estudos até a atualidade.por
dc.contributor.advisor1Umbach, Rosani Úrsula Ketzer
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5773862679226891por
dc.contributor.referee1Porto, Ana Paula Teixeira
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4062295984669215por
dc.contributor.referee2Sparemberger, Alfeu
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/9671613350365467por
dc.contributor.referee3Silva, Vera Lucia Lenz Vianna da
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/8773425081130876por
dc.contributor.referee4Alós, Anselmo Peres
dc.contributor.referee4Latteshttp://lattes.cnpq.br/4335387854670599por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/7943686245103765por
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.departmentLetraspor
dc.publisher.initialsUFSMpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Letraspor
dc.subject.cnpqCNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRASpor
dc.publisher.unidadeCentro de Artes e Letraspor


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International
Except where otherwise noted, this item's license is described as Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International

O Manancial - Repositório Digital da UFSM utiliza a versão 4.1 do software DSpace.
Av. Roraima, 1000. Cidade Universitária "Prof. José Mariano da Rocha Filho".
Bairro Camobi. CEP: 97.105-900. Santa Maria, RS, Brasil.