Show simple item record

dc.creatorUhlmann, Lilian Osmari
dc.date.accessioned2019-02-14T10:53:42Z
dc.date.available2019-02-14T10:53:42Z
dc.date.issued2018-09-06
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufsm.br/handle/1/15631
dc.description.abstractThe main objectives of the present work were (i) determine the radiation used efficiency (RUE) and its relationship with the air temperature and evaluate the dynamics of dry matter partitioning for gladiolus crop. (ii) Develop a climate risk zoning for gladiolus crop in Rio Grande do Sul state (RS), showing the adequate and inadequate planting dates using the PhenoGlad model and (iii) encourage the cultivation of flowers in the small family properties of the Central Depression of RS though extensive actions. Thus, were performed field experiments over the years 2012 until 2017 to determine growing of gladiolus crop, such as the radiation used efficiency and the dynamics of dry matter partitioning though collection of six plants of each developmental stage. The model PhenoGlad was used to determine the adequate and inadequate planting periods of gladiolus for 497 cities of RS, were used climate data from 34 years at 23 locations, considering different damage levels. A partnership with the rural extension institution, EMATER/RS-ASCAR, was started to identify producers interested in diversifying their production system and growing gladiolus. The dry matter partitioning of Gladiolus is modulated by two main sinks. The floral spike is the main sink until end of flowering and, thereafter the main sink becomes the new corm. Due to the two main sinks of gladiolus, the values of RUE for gladiolus (0.4310 g MJ-1 up to 0.9035 g MJ-1) are lower to other bulbous crops. The optimal temperature range for RUE in gladiolus is between 15 and 22°C. These parameters are important for the development of crop grown models in order to correct the growth rate under sub and supra-optimal conditions through a RUE response function. The gladiolus could be grown in all 497 cities of RS over almost all year, with exception in places that there is high probability of extreme temperature (low or high) at the critical phase of developmental cycle. In the coldest areas of the state, the inadequate planting period is between March and May, and at the hottest areas of the state, the inadequate planting periods are between October and January. Planting at the recommended periods is mandatory to produce high quality spikes. The gladiolus spikes have a demand of the consumers outside the All Souls day at Central Depression of RS. Regionalization of production reduces the cost of floral spikes to the final consumer, besides offering to the market higher quality products. This production system encourages short-chains market and contributes to the growth of flower production in the State of RS. Nevertheless, to ensure this, it is necessary to bring the results of research, with practical application, to the field through the link between research and rural extension.eng
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Santa Mariapor
dc.rightsAttribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/*
dc.subjectGladiolus x grandiflorus Hortpor
dc.subjectPhenoGladpor
dc.subjectForça de drenopor
dc.subjectCalendário de plantiopor
dc.subjectAgricultura familiarpor
dc.subjectFloriculturapor
dc.subjectSink strengtheng
dc.subjectPlanting scheduleeng
dc.subjectFamily agricultureeng
dc.subjectFloricultureeng
dc.titleEcofisiologia, zoneamento de risco climático e extensão rural com a cultura do gladíolopor
dc.title.alternativeEcophysiology, climate risk zoning and rural extension with gladiolus cultureeng
dc.typeTesepor
dc.description.resumoOs principais objetivos deste trabalho foram (i) Determinar a Eficiência de Uso da Radiação (EUR) e sua relação com a temperatura do ar para a cultura do gladíolo e avaliar a dinâmica de partição de massa seca nos diferentes estágios de desenvolvimento da cultura. (ii) Desenvolver um zoneamento de risco climático para a cultura do gladíolo no Rio Grande do Sul, indicando períodos aptos e inaptos de plantio utilizando como ferramenta o modelo PhenoGlad e (iii) incentivar o cultivo de flores nas pequenas propriedades familiares da Depressão Central do RS através de ações de extensão. Foram conduzidos experimentos de campo durante os anos 2012 a 2017 para determinar os parâmetros de crescimento da cultura do gladíolo, como a eficiência de uso de radiação e a partição de massa seca em gladíolo, através da coleta de seis plantas a cada um dos estágios de desenvolvimento da cultura. O modelo PhenoGlad foi utilizado para realizar a determinação das épocas aptas e inaptas de plantio para os 497 municípios do Estado do RS utilizando 34 anos de dados meteorológicos para 23 regiões do Estado e considerando diferentes níveis de dano. Foi firmada uma parceria com a instituição de extensão rural, a EMATER/RS-ASCAR para identificar produtores interessados em diversificar seu sistema de produção e cultivar o gladíolo. A partição de massa seca em gladíolo é modulada pela força de dois drenos principais. A haste floral é o principal dreno da planta até o final do florescimento e, a partir dessa fase, aumenta a força de dreno do cormo novo. A existência desses dois drenos durante o ciclo de desenvolvimento do gladíolo faz com que os valores de EUR encontrados para a cultura (0,4310 g MJ-1 a 0,9035 g MJ-1) sejam menores do que para outras culturas bulbosas. A faixa ótima de temperaturas para EUR em gladíolo situa-se entre 15 e 22°C. Essas determinações são importantes para o desenvolvimento de modelos de simulação do crescimento de culturas agrícolas, a fim de penalizar a taxa de crescimento em condições sub e supra ótimas através de uma função de resposta à EUR. O cultivo do gladíolo é possível de ser realizado em todos os 497 municípios do RS, durante a maior parte do ano, exceto em locais e nas épocas com maior probabilidade de ocorrência de temperaturas extremas (baixas e altas) na fase crítica de desenvolvimento da cultura. Para as regiões mais frias do Estado, o período inapto de plantio é maior durante os meses de março a meados de maio e para as regiões mais quentes, os períodos inaptos são durante os meses de outubro a janeiro. A realização do plantio nas épocas aptas é fundamental para produzir hastes florais de qualidade. As hastes florais do gladíolo têm mercado consumidor fora da época de Finados na região da Depressão Central do RS. A regionalização da produção reduz o custo das hastes florais para o consumidor final, além de ofertar ao mercado um produto de melhor qualidade. Esse sistema de produção incentiva a produção em cadeias curtas e contribui para o crescimento da produção de flores no Estado do RS. Porém, para que isso ocorra, é necessário levar os resultados de pesquisas com aplicação prática para o campo através do elo entre pesquisa e extensão rural.por
dc.contributor.advisor1Streck, Nereu Augusto
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8121082379157248por
dc.contributor.referee1Backes, Fernanda Alice Antonello Londero
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/1501573193830736por
dc.contributor.referee2Schafer, Gilmar
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/9143958853265466por
dc.contributor.referee3Schwab, Natalia Teixeira
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/8132137008689037por
dc.contributor.referee4Bosco, Leosane Cristina
dc.contributor.referee4Latteshttp://lattes.cnpq.br/883826995445456por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/3529772419837065por
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.departmentAgronomiapor
dc.publisher.initialsUFSMpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Agronomiapor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIApor
dc.publisher.unidadeCentro de Ciências Ruraispor


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International
Except where otherwise noted, this item's license is described as Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International

O Manancial - Repositório Digital da UFSM utiliza a versão 6.3 do software DSpace.
Av. Roraima, 1000. Cidade Universitária "Prof. José Mariano da Rocha Filho".
Bairro Camobi. CEP: 97.105-900. Santa Maria, RS, Brasil.