Show simple item record

dc.contributor.advisorRighi, Liane Beatriz
dc.creatorKasten, Jocieli
dc.date.accessioned2020-10-27T12:13:15Z
dc.date.available2020-10-27T12:13:15Z
dc.date.issued2020-03-14
dc.date.submitted2020
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufsm.br/handle/1/20102
dc.descriptionArtigo (especialização) - Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências da Saúde, Curso de Especialização em Residência Multiprofissional Integrada em Gestão e Atenção Hospitalar no Sistema Público de Saúde, RS, 2020.por
dc.description.abstractMonitoring adherence to antiretroviral treatment (ART) for patients living with HIV (PLHIV) is a major challenge in the health area, due to the lack of a standardized method. However, it is an essential task because, by monitoring we get answers of the proposed interventions, aiming to improve the continuity of care, in addition to understanding the barriers to accession. The article aimed to analyze the factors associated with poor adherence to antiretroviral treatment (ART), in order to better understand them, as well as to diagnose the dynamics related to adherence and which methods are used to assess adherence to treatment. For this, a search was made in the Biblioteca Virtual em Saúde* using the descriptors “HIV”, “antirretroviral”, “adesão ao tratamento” e “adesão à medicação”**. Articles published in the period from January 2014 to September 2019, performed with adults aged 18 years or older, under antiretroviral treatment, which presented factors that negatively interfered with adherence to antiretroviral treatment were included. There were excluded works developed with children or young people under the age of 18, pregnant women and women who have recently given birth, patients with co-infections, studies that assess adherence to a specific ARV scheme, as well as studies that assess adherence to post-exposure prophylaxis ( PEP) or pre-exposure prophylaxis (PREP). 41 articles were selected, which identified the factors involved in poor adherence to ARV drugs. Those that appeared more frequently were alcohol consumption, depressive symptoms or depression, forgetfulness and the stigma associated with the diagnosis of HIV.In addition, the main strategy for assessing adherence was based on self-report, in some cases using a structured questionnaire or visual analog scale, with few studies associating more than one method to monitor adherence. Thus, it became evident that there is still much to be investigated about the dynamics of adherence and ways of monitoring treatment, to allow the development of strategies to obtain sustained adherence to antiretroviral treatment.eng
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Santa Mariapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.rightsAttribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/*
dc.subjectMedicamentos antirretroviraispor
dc.subjectHIV (Vírus da Imunodeficiência Humana)por
dc.subjectFator de riscopor
dc.subjectAdesão ao tratamentopor
dc.subjectAntiretroviral drugseng
dc.subjectRisk factoreng
dc.subjectTreatment adherenceeng
dc.titleFatores associados à má adesão ao tratamento antirretroviral: uma revisão sistemática da literaturapor
dc.title.alternativeFactors associated with poor adherence to antiretroviral treatment: a systematic review of the literatureeng
dc.typeTrabalho de Conclusão de Curso de Especializaçãopor
dc.degree.localSanta Maria, RS, Brasilpor
dc.degree.specializationResidência Multiprofissional Integrada em Gestão e Atenção Hospitalar no Sistema Público de Saúdepor
dc.description.resumoMonitorar a adesão ao tratamento antirretroviral (TARV) de pacientes que vivem com HIV (PVHIV) é um grande desafio na área da saúde, devido falta de método padronizado. No entanto, constitui uma tarefa essencial, pois, através do monitoramento que obtemos respostas das intervenções propostas, objetivando melhorar a continuidade do tratamento, além de compreender as barreiras para adesão. O artigo teve por objetivo analisar os fatores associados à má adesão ao tratamento antirretroviral (TARV), a fim de melhor compreendêlos, bem como, diagnosticar as dinâmicas relacionadas com a adesão e quais os métodos utilizados para avaliar a adesão ao tratamento. Efetuou-se uma busca na Biblioteca Virtual em Saúde, utilizando os descritores, HIV, antirretroviral, adesão ao tratamento e adesão à medicação. Foram selecionados artigos publicados no período de janeiro de 2014 a setembro 2019, realizados com adultos com idade igual ou superior a 18 anos, em tratamento antirretroviral, que apresentaram em seus resultados fatores que interferiram negativamente na adesão ao tratamento antirretroviral. Sendo excluídos trabalhos desenvolvidos com crianças ou jovens com idade inferior a 18 anos, gestantes e puérperas, pacientes com co-infecções, estudos que avaliaram adesão de algum esquema ARV específico, assim como estudos que avaliaram adesão a profilaxia pós-exposição (PEP) ou profilaxia pré-exposição (PREP). Foram selecionados 41 artigos, os quais identificaram os fatores implicados na má adesão aos medicamentos ARVs. Os que apareceram com maior freqüência foram, consumo de álcool, sintomas depressivos ou depressão, esquecimento e o estigma associado ao diagnóstico de HIV. Além disso, a principal estratégia para avaliação da adesão baseou-se em autorrelato, sendo em alguns casos utilizado questionário estruturado ou escala analógica visual, sendo que poucos estudos associaram mais de um método para monitorar adesão. Desta forma, evidenciou-se que ainda há muito a ser investigado sobre as dinâmicas de adesão e formas de monitoramento do tratamento, para permitir a desenvolvimento de estratégias para obter uma adesão sustentada do tratamento antirretroviral.por
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsUFSMpor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS DA SAUDEpor
dc.publisher.unidadeCentro de Ciências da Saúdepor


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Acesso Aberto
Except where otherwise noted, this item's license is described as Acesso Aberto

O Manancial - Repositório Digital da UFSM utiliza a versão 4.1 do software DSpace.
Av. Roraima, 1000. Cidade Universitária "Prof. José Mariano da Rocha Filho".
Bairro Camobi. CEP: 97.105-900. Santa Maria, RS, Brasil.