Show simple item record

dc.creatorTonini, Carolina Codevila
dc.date.accessioned2007-10-25
dc.date.available2007-10-25
dc.date.issued2006-04-10
dc.identifier.citationTONINI, Carolina Codevila. Social representations of health and sickness process of rural workers through Q methodology in Arroio do So District, Santa Maria Municipality, RS.. 2006. 132 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2006.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufsm.br/handle/1/8934
dc.description.abstractA study was carried out to understand the process of health and sickness in a sample of rural workers located at the Santa Maria Municipality, district of Arroio do So (RS, Brazil). The conceptual background of the study is based upon the theory of social representation. This theory consists of the beliefs, values and norms that influence not only thoughts but also behavior of the people. Needless to say that it is important to take into account the social, economical, political and cultural context of society where people live and work. This context affects social representations of the people. Q-methodology was employed to generate (by qualitative techniques) and analyze (by quantitative techniques) the information. Q is aimed at revealing the inner world of the people, a complex system composed of values, beliefs, thoughts, and so on. In this sense Q is an appropriate approach to study social representations. The implementation of the methodology implies 7 stages that can be reduced to 3 important moments. In the moment one, 10 people were interviewed as qualified informants, to develop the set of statements to be sorted through content analysis (Bardin, 1977). In the second stage, 34 rural workers were interviewed and asked to rank-order opinion statements about why they perceive the health and sickness process. In stage three the data was analyzed and interpreted using a special statistical software program called PCQ. The results of analysis content show that people who live and or work in the country relate to their environment in a particular way that affects their lives totally. Consequently, social representations of health and sickness are influenced with this interaction. Three different categories emerged: a) the process of health and sickness depends of live conditions and habits, b) the process of health and sickness depends of work characteristics, and c) cultural practices related to health and sickness. A matrix was built upon these 3 categories in order to develop the statements. The results of factorial analysis show that 3 factors emerged. They were labeled: a) health and integral prevention, b) popular health system, and c) work-health relation. These factors are related to the categories coming from the content analysis. Taking into account that there are differences between the urban and rural contexts, and that social representations are dynamic and heterogeneous, public health politics should consider them when rural development programs are planned. This will lead nicely to develop programs well suited to the rural conditions, needs and demands. It is important to avoid copying to the rural context what is being done in the urban one.eng
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Santa Mariapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectSaúde-doençapor
dc.subjectTrabalhadores ruraispor
dc.subjectRepresentações sociaispor
dc.subjectHealth-sicknesseng
dc.subjectRural workerseng
dc.subjectSocial representationeng
dc.titleRepresentações Sociais do processo saúde-doença de trabalhadores rurais via metodologia Q no Distrito de Arroio do Só, Município de Santa Maria, RS.por
dc.title.alternativeSocial representations of health and sickness process of rural workers through Q methodology in Arroio do So District, Santa Maria Municipality, RS.eng
dc.typeDissertaçãopor
dc.description.resumoEste estudo foi desenvolvido para entender o processo saúde-doença de um grupo de trabalhadores rurais do distrito de Arroio do Só, em Santa Maria (RS, Brasil). A base conceitual do estudo é a Teoria das Representações Sociais. A referida teoria atribui valor às crenças, ao significado construído socialmente, à cultura e ás normas que influenciam não só o pensamento, mas também o comportamento das pessoas. É importante considerar o contexto social, econômico, político e cultural da sociedade em que as pessoas vivem e trabalham e como esse contexto afeta as representações sociais dos indivíduos. A metodologia Q foi utilizada para suscitar (por técnicas qualitativas) e analisar (por técnicas quantitativas) as informações. A referida metodologia apresenta como objetivo revelar o mundo interior das pessoas, este considerado um sistema complexo composto de valores, crenças e pensamentos. Nesse sentido, Q é uma abordagem apropriada para estudar as representações sociais. A implementação da metodologia implica sete (7) passos que podem ser reduzidos a três (3) momentos importantes. No primeiro momento, dez (10) pessoas foram entrevistadas como informantes qualificados para desenvolver o conjunto de opiniões a ser classificado pela análise de conteúdo (Bardin, 1977). No segundo momento, trinta e quatro (34) trabalhadores rurais foram entrevistados e solicitados a classificar afirmativas de acordo com sua percepção acerca do processo saúde-doença. No terceiro momento, os dados foram analisados e interpretados por meio de um programa especial de software estatístico, denominado PCQ. Os resultados da análise de conteúdo mostram que as pessoas que moram ou trabalham na área rural, relacionam-se com o seu meio de uma maneira especial, que afeta integralmente suas vidas. Conseqüentemente, as representações sociais de saúde e doenças são influenciadas por tal interação. Três diferentes categorias surgiram: a) o processo saúde-doença resultante das condições e dos hábitos de vida; b) o processo saúde-doença resultante das características do trabalho; c) práticas de cuidado relacionadas à saúde e à doença. Uma matriz sobre essas três categorias foi elaborada para desenvolver as afirmativas. Os resultados da análise fatorial mostram três (3) fatores: a) saúde é a prevenção integral; b) sistema de saúde popular; c) relação trabalho-saúde. Estes fatores são relacionados às categorias provenientes da análise de conteúdo. Como há diferenças entre os contextos urbano e rural e as representações sociais são dinâmicas e heterogêneas, a política pública de saúde pública deveria considerá-las, quando os programas de desenvolvimento rural são planejados. Tal procedimento pode levar a desenvolver programas adequados às condições rurais, às suas necessidades e às suas demandas. É importante não copiar para o contexto rural o que é feito no contexto urbano.por
dc.contributor.advisor1Hegedüs, Pedro de
dc.contributor.advisor1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4770923Z2por
dc.contributor.referee1Vela, Hugo Anibal Gonzalez
dc.contributor.referee1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4795459H8por
dc.contributor.referee2Guido, Laura de Azevedo
dc.contributor.referee2Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4770022P7por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.departmentAgronomiapor
dc.publisher.initialsUFSMpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Extensão Ruralpor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA::EXTENSAO RURALpor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


O Manancial - Repositório Digital da UFSM utiliza a versão 6.3 do software DSpace.
Av. Roraima, 1000. Cidade Universitária "Prof. José Mariano da Rocha Filho".
Bairro Camobi. CEP: 97.105-900. Santa Maria, RS, Brasil.