Show simple item record

dc.contributor.advisorPeres, Reginaldo Teixeira
dc.creatorPohl, Angelo Inácio
dc.date.accessioned2018-09-18T14:48:08Z
dc.date.available2018-09-18T14:48:08Z
dc.date.issued2004-09-14
dc.date.submitted2004
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufsm.br/handle/1/14341
dc.descriptionMonografia (especialização) - Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Sociais e Humanas, Curso de Especialização em Pensamento Político Brasileiro, RS, 2004.por
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Santa Mariapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.rightsAttribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/*
dc.titleO federalismo no Brasil: centralização versus descentralização na República Velhapor
dc.typeTrabalho de Conclusão de Curso de Especializaçãopor
dc.degree.localSanta Maria, RS, Brasilpor
dc.degree.specializationPensamento Político Brasileiropor
dc.description.resumoNa historiografia política republicana, o federalismo aparece como um dos temas controvertidos. Entendendo que essa historiografia guarda íntimas ligações com o pensamento político brasileiro, este estudo remete a busca de algumas explicações da implantação do regime republicano em seu viés federalista, no contexto de um momento histórico significativo na construção da República brasileira. O exame do federalismo, a partir da análise de sua matriz norte-americana, confrontada com a proposta instituída pela Constituição de 1891, conduz a discussão para o seu fulcro: a própria implantação do regime republicano federalista e a formulação do esquema político da “política dos governadores”. A efetivação dessa situação demonstra o fato de que o federalismo brasileiro não se constituiu exatamente numa imitação estreita do modelo estadunidense, incorporando no próprio texto jurídico constitucional, as especificidades do processo social e político existente no Brasil. A inexistência de uma sintonia entre a ordem política e a realidade sócio-econômica foi deflagradora de um período de instabilidade no relacionamento da União com os estados, por meio do qual se tornava visível à disputa pelo poder e o agravamento das dificuldades do regime. Com Campos Salles, inicia- se uma tentativa de reversão desse quadro. A “política dos governadores” estabelece uma maior viabilidade como esquema político que visa suprimir as tensões entre os grupos na disputa pelo poder. Este estudo monográfico propicia uma tentativa de demonstrar a funcionalidade do sistema federalista no âmago do embate centralização versus descentralização, na Primeira República brasileira.por
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsUFSMpor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::CIENCIA POLITICApor
dc.publisher.unidadeCentro de Ciências Sociais e Humanaspor


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Acesso Aberto
Except where otherwise noted, this item's license is described as Acesso Aberto

O Manancial - Repositório Digital da UFSM utiliza a versão 4.1 do software DSpace.
Av. Roraima, 1000. Cidade Universitária "Prof. José Mariano da Rocha Filho".
Bairro Camobi. CEP: 97.105-900. Santa Maria, RS, Brasil.