Show simple item record

dc.contributor.advisorLopes, Sonia Terezinha dos Anjos
dc.creatorFruet, Caren Langone
dc.date.accessioned2016-06-20T15:28:07Z
dc.date.available2016-06-20T15:28:07Z
dc.date.issued2005-10
dc.date.submitted2005
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufsm.br/handle/1/1749
dc.descriptionMonografia (especialização) - Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Rurais, Curso de Especialização em Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais, RS, 2005.por
dc.description.abstractCanine ehrlichiosis is an illness caused for a bacterium of the Ehrlichia sort that is obligator intracellular parasites of leukocytes and platelets. The species that more infect the dogs are E. canis, E. ewigii and E. platys. It is diagnosised in the world all and in Brazil its incidence is increasing. The affected dogs are of any age, sex or race, but puppies, German Shepherds and Dobermans Pinchers can develop a more serious form of the disease. The vector is the brown tick of the dogs (Rhipicephalus sanguineus) that it contaminates when ingesting infected cells and inoculates the Ehrlichia when is feed of the blood of another dog. The course of the disease is divided in 3 phases: acute, subclinical and chronic, occurring clinical, hematologics alterations and biochemists varying of light the severe ones. Some forms of diagnosis of erliquiose exist, as the detention of intracellular morulae in stained blood smears, Indirect Fluorescent Antibody (IFA), Elisa, PCR and others. The treatment if gives with the antimicrobials use, being the doxycycline the election drug, use of imidocarb dipropionate and therapies of support. The Prophylaxis of ehrlichiosis is made through the control of the tick, forty days and treatment of dogs proceeding from endemic areas and serologic tests for detention of asymptomatic animals. This work has as objective, to characterize the some clinical, hematologics alterations, the diverse forms of diagnosis and ideal therapy for the dogs with this illness.eng
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Santa Mariapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectBactériapor
dc.subjectEhrlichiapor
dc.subjectErliquiosepor
dc.titleErliquiose em cãespor
dc.title.alternativeCanine ehrlichiosiseng
dc.typeTrabalho de Conclusão de Curso de Especializaçãopor
dc.degree.localSanta Maria, RS, Brasil.por
dc.degree.specializationClínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animaispor
dc.description.resumoA Erliquiose canina é uma doença causada por uma bactéria do gênero Ehrlichia, que são parasitas intracelulares obrigatórios de leucócitos e plaquetas. As espécies que mais acometem os cães são E. canis, E. ewigii e E. platys. É diagnosticada no mundo todo e no Brasil sua incidência está aumentando. Os cães acometidos são de qualquer idade, sexo ou raça, mas filhotes, Pastores Alemães e Dobermann Pinchers podem desenvolver uma forma mais grave da doença. O vetor é o carrapato marrom dos cães (Rhipicephalus sanguineus) que se contamina ao ingeri células infectadas e inocula a Ehrlichia quando se alimenta do sangue de outro cão. O curso da doença é dividido em 3 fases: aguda, subclínica e crônica, ocorrendo alterações clínicas, hematológicas e bioquímicas variando, de brandas a severas. Existem várias formas de diagnóstico da erliquiose, como a detecção de mórulas no esfregaço sanguíneo, reação de Imunoflurescência indireta (IFA), Elisa, PCR e outros. O tratamento se dá com o uso de antibioticoterapia, sendo a doxiciclina a droga de eleição, uso de dipropionato de imidocarb e terapias de suporte. A profilaxia da erliquiose é feita através do controle do carrapato, quarentena, tratamento de cães provenientes de áreas endêmicas e testes sorológicos para detecção de animais assintomáticos. Este trabalho tem como objetivo, caracterizar as várias alterações clínicas, hematológicas, as formas diversas de diagnóstico e terapia ideal para os cães com essa enfermidade.por
dc.publisher.unidadeCentro de Ciências Ruraispor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


O Manancial - Repositório Digital da UFSM utiliza a versão 4.1 do software DSpace.
Av. Roraima, 1000. Cidade Universitária "Prof. José Mariano da Rocha Filho".
Bairro Camobi. CEP: 97.105-900. Santa Maria, RS, Brasil.